60% não se sentem seguros em denunciar assédio moral no Judiciário

A pesquisa vai ajudar a direcionar as próximas ações de comitê sobre o tema criado em 2020 que têm como objetivo promover o trabalho digno, saudável, seguro e sustentável no âmbito do Poder Judiciário

Conselho Nacional de Justiça (CNJ)
15/02/2022

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) realizará, nesta quarta-feira (16), o Seminário de Combate ao Assédio e à Discriminação no Poder Judiciário. No evento serão detalhados dados de pesquisa inédita realizada elo CNJ, no final de 2021, com quase 15 mil pessoas sobre assédio no Poder Judiciário. O levantamento mostrou que quase 60% das pessoas entrevistadas não se sentem seguros para realizar denúncias de assédio no ambiente de trabalho por temerem represálias e que mais de 55% já passou por alguma situação de assédio,

O evento destina-se a magistrados, servidores, colaboradores, estagiários, integrantes do sistema de Justiça e população em geral, e tem como objetivo a conscientização acerca da necessidade de prevenção e enfrentamento ao assédio e à discriminação no Poder Judiciário.

Para participar não será necessária inscrição, basta acessar o Canal do CNJ no Youtube.

“Todas as pessoas importam. O Judiciário tem em seus quadros milhares de pessoas e todas exercem funções fundamentais. Esse trabalho de combate ao assédio e à discriminação é o início de uma mudança de cultura das relações interna corporis na Justiça”, afirma a conselheira Tânia Reckziegel, ouvidora do CNJ. Ela fará a abertura do encontro junto com o desembargador do Tribunal Regional Eleitoral de Goiás (TRE-GO) Leandro Chrispim.

A pesquisa foi realizada a pedido do Comitê de Prevenção e Enfrentamento do Assédio e da Discriminação do Poder Judiciário do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) no final de 2021. As respostas vão ajudar a direcionar as próximas ações do Comitê, que tem como objetivo promover o trabalho digno, saudável, seguro e sustentável no âmbito do Poder Judiciário.

Saiba mais sobre o evento

No final de 2020, foi instituída a Política de Prevenção e Enfrentamento do Assédio Moral e Discriminação no Poder Judiciário. Entre as medidas impostas, a Resolução determina que cada tribunal crie uma comissão de prevenção e enfrentamento a essa violência, com participação da magistratura, servidores, servidoras e equipes terceirizadas.

O evento será realizado das 9h às 12h30 e é destinado a profissionais do Judiciário e do Sistema de Justiça e pessoas interessadas no tema. Nele, especialistas farão análise da evolução dos conceitos e das práticas de enfrentamento e assinarão uma “Carta Contra o Assédio”.

Serviço

Seminário de Combate ao Assédio e à Discriminação no Poder Judiciário
Quando: quarta-feira (16/2), das 9h às 12h30
Onde: canal do CNJ no YouTube